Canal de atendimento atendimento@medaula.com.br
(31) 3245-5781 (31) 9 8959-6573
Rua Grão Pará, 737 Conjunto: 1101 - 11o andar, BH
CNPJ: 07.254.304/0001-24

Doenças Exantemáticas na Infância

30 de setembro, 2020

As doenças exantemáticas são extremamente importantes para a prova de pediatria. Junto com neonatologia e cirurgia pediátrica, corresponde a grande parcela de questões. Geralmente, os autores expõem um caso clínico no enunciado e questionam a principal hipótese diagnóstica.

Exemplo de Questão:

AMP – Menina de 2 anos vem à UBS apresentando febre baixa há 3 dias, irritabilidade, falta de apetite e discretos sintomas catarrais. No dia de atendimento surgiu exantema com lesões papulovesiculares nas extremidades, principalmente nos dedos, dorso das mãos e planta dos pés. Ao exame, o médico constatou lesões vesiculares na boca, com algumas úlceras dolorosas. O quadro clínico descrito corresponde a qual doença exantemática da infância?

Para os concursos, você precisa saber os principais tópicos das doenças exantemáticas:

  • DOENÇA DE KAWASAKI: critérios (pelo menos 5 dos 6): febre por mais de 5 dias, congestão ocular bilateral não exsudativa, alterações orais, exantema polimorfo, alteração de extremidades, linfadenopatia cervical. Administra-se gamaglobulina para prevenção de aneurismas coronarianos, com melhores resultados se aplicado nos primeiros 7 dias. 
  • DENGUE: o vírus está presente no sangue durante a fase aguda da doença, há 4 sorotipos, é classificada como arbovirose, os sorotipos têm antígenos muito similares, é transmitida pelo Aedes, a infecção por um sorotipo não oferece proteção contra os outros. Na vigência de dengue, deve-se evitar salicilatos devido ao risco de síndrome de Reye.
  • ERITEMA INFECCIOSO: agente etiológico: parvovírus B19, manifestações clínicas: bochecha esbofeteada, erupção maculopapular vermelha, mal-estar, cefaleia, prurido. Febre é rara. Mais frequente em crianças de 2 a 12 anos. À medida que o exantema progride, acometendo simetricamente membros, tronco e nádegas, as lesões tendem a empalidecer a partir do centro, tomando um aspecto de rendilhado. O exantema pode ser recorrente por 1 a 3 semanas. A infecção pelo eritema infeccioso em mulheres grávidas pode levar à hidropsia fetal. O laboratório é normal. O rash pode aparecer após semanas, especialmente com exposição ao sol ou calor. Pode causar artrite. Podem ocorrer crises aplásticas. Não há tratamento específico. 
  • SARAMPO: período prodrômico de 4 dias, com fotofobia e tosse; piora da febre e estado geral quando aparece o exantema. Esse é maculopapular, surge em pescoço e face. Manchas de Koplik na boca. O laboratório evidencia leucopenia. O rash vermelho brihante torna-se confluente e pode descamar. Quando uma questão apresentar uma criança com exantema e tosse, além de lacrimejamento lembre-se de sarampo, pois neste a tosse costuma ser intensa, piora com o surgimento do exantema e pode durar um longo período. O sarampo é extremamente infecioso. A vacinação de bloqueio controla os surtos epidêmicos. O achado patológico característico é a distribuição disseminada de células gigantes multinucleares. O alto risco de morte que se observa no paciente desnutrido com sarampo ocorre porque a imunidade celular, já estando deprimida neste tipo de paciente, afeta o curso da virose e facilita as complicações. Podem ocorrem complicações respiratórias, pulmonares e brônquicas e neurológicas. A panencefalite esclerosante subaguda é rara. 
  • COXSACKIE: síndrome mão-pé-boca (enterovirose); associa-se com miocardite. Os enterovírus são a causa mais frequente de miocardite na infância. Podem causar lesão cutânea semelhante à meningococcemia. Os enterovírus são a classe de vírus que mais mimetizam outras doenças. O tratamento é com sintomáticos e medidas de suporte.