Canal de atendimento atendimento@medaula.com.br
(31) 3245-5781 (31) 9 8959-6573
Rua Grão Pará, 737 Conjunto: 1101 - 11o andar, BH
CNPJ: 07.254.304/0001-24

Aspectos Gerais do Perfil Demográfico Brasileiro

30 de setembro, 2020

Para as provas de residência, entender a tendência de evolução do perfil demográfico é muito mais importante do que tentar decorar números. Por exemplo, é mais importante saber que vem acontecendo uma queda na taxa de fecundidade brasileira desde a entrada da mulher do mercado de trabalho na década de 70, do que propriamente fixar o valor dessa taxa. O candidato precisa entender o perfil de mortalidade brasileira. Vamos ver uma questão exemplo:

Exemplo de Questão:

SES – PE – Conceitua-se transição demográfica como a passagem de um estágio/contexto populacional no qual predominam altas taxas de indicadores demográficos para outro, em que as taxas alcançam valores muito reduzidos. Postulam-se quatro fases: I- típica das sociedades pré-industriais; II- dos países em processo de desenvolvimento; III- de países ricos; IV- típica de uma sociedade pós-industrial. Sobre isso, assinale a alternativa que contém os dois indicadores utilizados para a caracterização das fases:

(…)

Portanto, vamos relembrar que na fase I a natalidade e a mortalidade são elevadas; na fase II, ocorre um declínio na taxa de mortalidade devido à melhoria das condições sanitárias, à evolução da medicina e à urbanização, mas como a taxa de natalidade permanece alta, ocorre um rápido crescimento populacional. Já na fase III, ocorre queda na taxa de natalidade, devido ao acesso a métodos anticoncepcionais e a educação, o declínio da mortalidade continua. Na fase IV, as taxas de mortalidade e de natalidade são reduzidas, fazendo com que o crescimento populacional seja pequeno. Assim, os coeficientes de mortalidade e de natalidade são os indicadores que caracterizam as fases de transição demográfica.

Vamos apresentar os conceitos essenciais para você acertar a maioria das questões de prova sobre perfil demográfico brasileiro:

  • Perfil de mortalidade: o país está envelhecendo, melhorando seu perfil sanitário e de assistência à saúde;
  • Mortes por doenças infecciosas: vem diminuindo devido à melhoria da prevenção de saúde, do padrão de vida e das condições sanitária do país;
  • Aumento das doenças crônico-degenerativas: tem se elevado devido ao aumento da expectativa de vida e envelhecimento da população;
  • Recrudescimento de doenças infecto-parasitárias: como malária, cólera, dengue, e persistência de doenças como hanseníase e tuberculose;
  • Principal causa de morte no Brasil: 1° lugar: doenças do aparelho circulatório em homens e mulheres; 2° e 3° lugares: causas externas e neoplasias. Entre a população de 15 a 40 anos as causas externas (homicídio, acidente de trânsito, etc.) são o primeiro lugar na causa de mortes;
  • Mortes por causas externas: 1° lugar: homicídios; 2° lugar: acidentes automobilísticos. 

O que você precisa estudar?

Para as provas, você deve saber que taxa de fecundidade é dada pelo número médio de filhos que uma mulher poderia ter até o final da sua vida reprodutiva, e é um dos principais indicadores da dinâmica demográfica de uma população. Para que ocorra reposição populacional, a taxa de fecundidade não pode ser inferior a 2,1 filhos por mulher. A taxa de fecundidade atual do Brasil é de 1,72. A diminuição que vêm ocorrendo nesta taxa é ocasionada por: aumento do nível de escolaridade, urbanização, participação da mulher no mercado de trabalho, difusão de métodos anticoncepcionais. Outro ponto é que a expectativa de vida da população brasileira vem aumentando com o passar dos anos (em 2015 era de 75,4 anos). Apesar do ganho, a expectativa de vida do brasileiro ainda é relativamente baixa se comparada com a de países como Japão, Suíça, Alemanha, entre outros.

Por fim, é necessário lembrar-se da transição epidemiológica, em que podemos observar os seguintes itens nas últimas décadas: redução do coeficiente de mortalidade geral, redução da mortalidade infantil, aumento da expectativa de vida, modificação do perfil epidemiológico.